Sindicatos y Cordones Industriales

Sindicatos e cordões industriais: a constituição de novas relações sociais na construção do socialismo chileno (1972-1973)

Por Márcia Carolina de Oliveira Cury

Resumen: Para compreendermos as tensas relações estabelecidas entre as organizações de base, a CUT e o governo durante o governo da Unidade Popular (UP) é preciso entender algumas características essenciais do movimento operário chileno. Apesar de estatísticas impressionantes que apontam para um grande número de trabalhadores sindicalizados, nota-se uma importante fragilidade do movimento sindical nacional dentro de um sistema complexo de relações trabalhistas com regulação estatal.1. Era proibido organizar sindicatos em fábricas com menos de 25 trabalhadores, o envolvimento em negociações coletivas do setor ou a convocação de greves solidárias. Além disso, o Código trabalhista estabeleceu a distinção legal
entre os trabalhadores, entre operários e empregados, institucionalizando a sua divisão através da diferenciação entre o ofício “manual” e o “intelectual”, a diferença salarial e a discriminação social, ocasionando, seguramente o conflito ou a dificuldade para estabelecer uma unidade de ação.

DESCARGAR: Sindicatos y Cordones (MarciaCury, en portugues)

________________________________________-

∗ Doutoranda em Ciência Política/ Unicamp – Bolsista Fapesp. End. eletrônico: curybr@yahoo.com.br

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos necesarios están marcados *

*

Puedes usar las siguientes etiquetas y atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>